terça-feira, 30 de setembro de 2014

Uma visita aos tectos da minha casa ou o 5º aniversário do Velharias do Luís

O blogue velharias do Luís faz hoje cinco anos. Normalmente, nestes aniversários faço sempre um balanço das actividades, agradeço aos comentadores e aos visitantes desta página.

Este ano, como forma de assinalar a data e retribuir os comentários tão interessantes dos amigos e as visitas de tanta gente desconhecida vinda daqui e dali, convido-vos a fazer uma visita aos tectos da minha casa, esse lugar que eu inventei, como se fosse um país longínquo.

Passei toda a minha infância e juventude a desenhar plantas de cidades e mapas de países imaginados. Ainda hoje, quando me distraio, começo a traçar a costa de um país, as suas fronteiras e os seus rios.

Quando me separei e comecei a montar uma casa, creio que de uma forma quase inconsciente fui montando um cenário imaginado, que é às vezes uma igreja ou um palácio, ou noutras vezes um apartamento burguês do século XIX, ou um gabinete de curiosidades, afinal, como se a minha casa fizesse parte de um desses países imaginários, que tantas vezes desenhei. É nesta encenação pouco prática para a vida do dia-a-dia que eu respiro, durmo, escrevo ou cozinho.

Como banda sonora para esta visita (espero que não tenham vertigens), recomendo-vos Ma maison, da Barbara, que é uma presença constante na minha casa e neste blogue.

Je m'invente un pays où vivent des soleils
Qui incendient les mers et consument les nuits,
Les grands soleils de feu, de bronze ou de vermeil,
Les grandes fleurs soleils, les grands soleils soucis,
Ce pays est un rêve où rêvent mes saisons
Et dans ce pays-là, j'ai bâti ma maison.

Ma maison est un bois, mais c'est presque un jardin
Qui danse au crépuscule, autour d'un feu qui chante,
Où les fleurs se mirent dans un lac sans tain
Et leurs images embaument aux brises frissonnantes.
Aussi folle que l'aube, aussi belle que l'ombre,
Dans cette maison-là, j'ai installé ma chambre.

Ma chambre est une église où je suis, à la fois
Si je hante un instant, ce monument étrange
Et le prêtre et le Dieu, et le doute, à la fois
Et l'amour et la femme, et le démon et l'ange.
Au ciel de mon église, brûle un soleil de nuit.
Dans cette chambre-là, j'y ai couché mon lit.

Mon lit est une arène où se mène un combat
Sans merci, sans repos, je repars, tu reviens,
Une arène où l'on meurt aussi souvent que ça
Mais où l'on vit, pourtant, sans penser à demain,
Où mes grandes fatigues chantent quand je m'endors.
Je sais que, dans ce lit, j'ai ma vie, j'ai ma mort.

Je m'invente un pays où vivent des soleils
Qui incendient les mers et consument les nuits,
Les grands soleils de feu, de bronze ou de vermeil,
Les grandes fleurs soleils, les grands soleils soucis.
Ce pays est un rêve où rêvent mes saisons
Et dans ce pays-là, j'ai bâti ta maison




33 comentários:

  1. Parabéns ,por mais um aniversário do seu magnífico blogue.Os seus posts,são sempre muito divertidos e muito didáticos,o que os torna muito atraentes.As investi
    gações que faz para deslindar a proveniência e a idade,
    de uma qualquer peça de louça,fazem nos admirar a sua
    paciência e gosto por estes temas.Que continue por muitos anos ,para deleite de todos nós.A canção da Bárbara,foi muito bem escolhida,pois combina perfeitamente com o seu post de hoje.Cumprimentos,Graciete

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Garaciete

      Muito obrigado pelas suas felicitações. O "Ma maison" da Barbara surgiu quase naturalmente, pois este blog é muitas vezes uma viagem ao mundo através da minha casa.

      Um abraço

      Eliminar
  2. Parabéns pela data, belamente assinalada pela postagem que em boa hora a fez: três tectos diferentes, três tectos interssantes pela sua originalidade e bom gosto. Parabéns para si, também, pois um blogue é sempre o prolongamente do seu autor....Cumprimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Belita

      Muito obrigado.

      O tecto que aqui se vê, é o sempre o mesmo, visto de ângulos diferentes. Foi uma obra que fiz em casa, aproveitando a estrutura em mansarda para fazer como que um antigo tecto de maceira.

      Um abraço

      Eliminar
  3. Bom dia Luís,
    Parabéns por mais um ano de excelentes publicações.
    Um abraço,
    Berto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Humberto

      Muito obrigado. Com os teus contributos, és responsável por muitos dos conteúdos deste blog, sobretudo os que dizem respeito ao Solar de Outeiro Seco

      Um abraço

      Eliminar
  4. Parabéns pelo seu blog.
    Parabéns pela excelência a que já nos habituou.

    Um abraço
    if

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ivete

      Muito obrigado e um abraço também para si

      Eliminar
  5. Parabens Luis pelo magnifico Blog, onde se aprende, onde se ri e onde viajamos por seculos de historias nunca antes contadas. Obrigado pela partilha. Um abraço. Leonel Ferreira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Leonel Ferreira

      Como este blog não pretende ter uma forma académica, posso-me dar ao luxo de escrever sobre os assuntos de forma familiar, usar uma linguagem mais comezinha e salpicar a coisa com uma certa dose de bom humor. Essa característica do blogue, que reflecte inteiramente a minha personalidade, contribui para que a leitura dos textos se torne mais fácil e agradável (enfim, modéstia bem à parte), do que se tentasse fazer um ensaio académico, com muita citação e nota de rodapé.

      Um abraço

      Eliminar
  6. Parabéns pelo 5º aniversário do blog! Isto não é pouca coisa! Merece mesmo comemoração.
    abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fábio

      Muito obrigado!!!

      Um abraço forte para o meu amigo da antiga capital do reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves

      Eliminar
  7. Já cinco anos!!!! Não fazia ideia, pois já tinha perdido a conta.
    No entanto parece que foi ontem que me disseste que irias iniciar um blog, mas que, receavas, não irias ter ninguém a ler-te ... !!! (ainda me dá algum riso quando me recordo desta porção do teu discurso!)
    Bem, pela minha parte, prometi, poderias contar com a presença assídua, e, como sou animal de hábitos, com necessidade absoluta e indispensável de ritmos e rotinas, iria ler-te e comentar sempre que possível.
    Bem, ainda que sendo rotina, foi, é, e, estou certo, continuará a ser um prazer, não só ler-te como comentar.

    Por aqui tive igualmente a oportunidade única de travar conhecimento com uma quantidade de pessoas muito interessantes, imperdíveis mesmo, que, doutra forma, nunca me teria sido possível fazê-lo, por isso te agradeço também.
    Estás de parabéns.

    Também teria sido curioso adicionar imagens da parte esconsa do teu tecto, pelas peças que aí se penduram, de forma até algo inusitada.

    Manel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Manel

      Os teus comentários são parte integrante deste blogue. Algumas das ideias aqui abordadas de leve, são depois exploradas e completadas por ti, o que é um jogo de espírito estimulante para nós, mas também interessante para os visitantes do blog.

      Não posso mostrar toda a minha casa de uma vez só. Tenho que fazer render o peixe para mais um ou dois anos de existência do blogue.

      Um abraço

      Eliminar
  8. Caro Luis

    Assiduamente visito o seu blog porque se aprende por alguém que também aprendeu....partilhar a sabedoria e o conhecimento é uma virtude exemplar.....O tecto....é um cenário onde se projectam os sonhos.....um abrigo...e uma saudade ...geralmente um tecto alto deixa-nos diminuídos, mirrados e na condição de menores, mas creio que esse dá liberdade de sonhar...
    Obrigado por tudo o que aprendi
    abraço
    Vitor Pires

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vítor

      Há muito tempo que não tinha o prazer de ler os seus comentários.

      Na realidade, o tecto não é muito alto. Talvez na altura máxima tenho uns 2,70 m., nem sei se tanto. Dá a sensação que é alto, porque a casa é muito pequena. Aliás, este meu apartamento à escala 1/43 está feito para criar ilusões, porque todos os objectos são de dimensões reduzidas. Por essas razões, a canção da Barbara é tão apropriada "num país inventado, construí a minha casa"

      um abraço

      Eliminar
  9. Meu caro Luís,
    Muitos parabéns! Como o tempo passa depressa!
    Escusado será dizer que desejo que continue por muitos mais anos a deliciar-nos com as suas descobertas, a sua escrita, as suas fotos...
    Por falar em fotos, estas do seu teto magnífico decorado com pequenos tesouros... não deviam estar na vertical? É que, embora não precise de estar de nariz no ar como estaria aí em sua casa, ia apanhando um torcicolo para apreciar as peças na posição correta! LOL.
    Deve ser o seu sentido de humor a funcionar... e eu bem precisada estou de uns momentos de humor em mais um dia de complicações por aqui...
    Obrigada por tudo, meu amigo.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria Andrade

      Muito obrigado. Tal como o Manel, os seus comentários tem tornado este blog muito mais interessante.

      As fotografias não estão ao contrário. Correspondem a vistas reais da minha casa. Escolhi estas perspectivas insólitas para combinar com o texto e com a canção da Barbara acerca de um país inventado onde construí a a minha casa. Também a minha ideia era dar uma sensação de vertigem a quem lesse o texto.

      Estas vistas insólitas descobri-as deitado no chão quando fazia ginástica e achei que um dia as poderia tentar captar no blog e criar um certo efeito surpresa.

      Bjos e obrigado

      Eliminar
  10. Parabéns Luís! Adorei os anjinhos e tenho curiosidade de ver o que vai aparecer no meio deles. Espero poder continuar a ler o blogue por muito tempo! Bjs, Luísa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luisa

      Obrigado. Parece que adivinhas-te. Há muito que procuro qualquer coisa para colocar no centro dos anjos, pois parece que eles apontam para o meio do tecto, pedindo ali qualquer coisa, que terá que ser barroca ou insólita. Já por lá andou um prato e um quadro, mas não resultou. Continuo à procura.

      bjos

      Eliminar
  11. Luís,

    Os meus sinceros parabéns!
    De cada vez que aqui entro, as emoções são do mais variado possível. Ora fico de boca aberta, ora desato a rir-me com as suas aventuras, ou fico muito séria e compenetrada, e também já sucedeu virem-me as lágrimas aos olhos.
    O Luís, tem a capacidade de conseguir transmitir com o coração aberto tudo aquilo que o rodeia. Daria um excelente pedagogo.
    Por tudo isso, e desde que numa tarde descobri a história do solar de Outeiro Seco, fiquei fã , e por aqui me detenho, sempre a absorver os seus ensinamentos.
    Neste blogue, claro está que, o seu amigo Manel é presença incontornável.
    Uma dupla de cinco estrelas, que desejo continuem por muitos e bons anos a fazerem companhia a todos nós!!

    Beijinhos


    Alexandra Roldão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alexandra, muito obrigado pelas suas palavras tão tocantes. Para um texto me sair bem, tenho que acreditar no que escrevo. Talvez, em consequência da minha vida profissional, onde passei a vida a redigir larachas e lugares comuns em linguagem oficial, nas quais não acreditava nem um pouco, neste blog, decidi que ia escrever de uma forma absolutamente pessoal, sem fazer concessões ao parece bem e ao parece mal.

      Os comentários da Alexandra, começam também a fazer parte do interesse deste blog, tal como os da Maria Andrade ou do Manel.

      Obrigado e um beijinho

      Eliminar
  12. Caro Luís
    Primeiro, primeiro, um grande abraço de parabéns pelo seu Velharias. O tempo corre e só nestas datas nos apercebemos disso. Já se passaram cinco anos e eu, em boa hora, descobri-o pouco depois. Só me resta agradecer-lhe a entrada pela porta grande do mundo das arte, através dos seus fantásticos posts e dos excelentes comentadores que conseguiu reunir e que, a maior parte das vezes, me levam a querer saber mais e mais:)
    A ideia de nos mostrar os tetos da sua casa foi genial. É uma opção decorativa pouco usual, mas que neste caso resulta às mil maravilhas.
    Um abraço para si e continue...por muito tempo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria Paula

      Muito obrigado pelas suas felicitações. Com efeito, a Maria Paula já faz parte dos comentadores históricos. Aliás, funcionamos todos como uma espécie de círculo de amigos, uma tertúlia virtual.

      A arte é sempre qualquer coisa de apaixonante, que mexe com os sentido e fico satisfeito por saber que de algum modo este blog desperta nas pessoas esse gosto e esse prazer.

      Um abraço

      Eliminar
  13. Caro Luís
    Nestes cinco anos acompanhar teu blog é um deleite. Ora tocante, ora didático, por vezes nostálgico. De uma nostalgia que nos irmana com a história de nossas raízes profundas e numinosas além mar. Uma ponte entre continentes que une a minha tão lusitana Pelotas no Brasil com Portugal. Talvez não o Portugal hodierno mas aquele que dorme entre as brumas de tempos idos, o Portugal que tece nossa brasilidade aqui. Um país rabiscado ludicamente no papel como uma terra encantada, mítica...que descansa sob o teto abobadado da história.
    Parabéns vida longa ao Blog.
    Abraço para si
    Edwin J. Pinto Fickel

    ResponderEliminar
  14. Caro Edwin J. Pinto Fickel

    Muito agradeço as suas palavras quase poéticas, a continuarem o rumo do texto que escrevi.

    Já aqui afirmei e volto a repetir, as reacções do outro lado do Atlântico a este blogue tem sido um dos aspectos mais interessantes e enriquecedores desta experiência, que me obrigou-me a rever algumas ideias pré-concebidas que tinha dos brasileiros (futebol, praia e carnaval) e sobretudo a perceber que a ligação entre Portugal e o Brasil é uma coisa real, viva e forte.

    O Portugal dos tempos idos persiste nos tempos actuais. A memória e a história são necessárias ao presente. Como dizia a Yourcenar, a vida humana está muito mais no passado do que no presente. O presente é sempre um momento curto, mesmo, quando a sua plenitude o faz parecer eterno.

    Um abraço forte

    ResponderEliminar
  15. Parabéns!!! Sua casa é um arraso!!! A casa da gente é o local para a gente ficar bem e dar asas à imaginação. A melhor coisa do mundo é ficar em casa com as coisas e objetos que amamos e juntamos daqui e dali tornando tudo a nossa cara, um ambiente nosso.
    Quem quiser que entenda a quantidade de cacarecos misturados.
    Mais 5 anos!!!!

    ResponderEliminar
  16. Caro Jorge

    Muito obrigado. Ainda bem que gostou. Um grande abraço para ti

    ResponderEliminar
  17. Olá,Luis
    Depois de uma longa ausencia forçada,em boa hora vim aqui
    Muitos parbéns por estes cinco anos e que por qui continue mais uns tantos
    Já tinha saudades do Luís e do nosso amigo Manel
    A sua casa esta mesmo muito sui generis Como diz o Jorge Santori ,a nossa casa é o nosso cantinho,quem quiser que entenda a mistura de antiguidades
    Eu entendo e adoro
    um beijinho para o Luis e para o nosso amigo Manel
    Como o poderia esquecer?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grace

      Sentimos a sua falta. Obrigado pelas palavras simpáticas.

      Beijinho também para si

      Eliminar
  18. Agradeço-lhe muito o carinho Grace.
    Quero enviar-lhe também os melhores cumprimentos, pois já não sabia o que era feito de si, e sentia-lhe a falta
    Manel

    ResponderEliminar
  19. Luís,
    Parabéns pelo aniversário e pela riqueza de assuntos, ideias e imagens.
    A Bárbara foi uma excelente escolha.
    Os tectos da sua casa são lindos, aquecem a alma. A nossa casa é o nosso jardim interior.
    Obrigada pela beleza. :))
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana

      A Barbara é sempre um extraordinário mote para escrever seja o que for e neste caso a letra e a música adaptaram-se que nem uma luva às imagens que queria mostrar.

      Um beijinho

      Eliminar