sexta-feira, 10 de março de 2017

Um São Valentim impresso na Parva Roma


Era para ter mostrado no dia 14 de Fevereiro esta estampa, representando S. Valentim, mas como já expliquei muitas vezes neste blog, sou avesso a efemérides. No fundo, gosto de estar sempre contra a maré.

Como toda a gente sabe, o 14 de Fevereiro, dia dos namorados ou de S. Valentim é uma coisa recente na Europa. Não é que o culto a S. Valentim não existisse aqui e ali, umas vezes com a conotação de santo protector dos namorados, outras vezes invocado contra a epilepsia. Mas não era de todo um culto popular, como o de S. Francisco de Assis, S. Catarina de Alexandria ou S. Bárbara. Aliás, até há bem pouco tempo, em Portugal os santos namoradeiros eram sem sombra de dúvida S. António de Lisboa ou S. Gonçalo de Amarante. O 14 de Fevereiro, como dia dos namorados foi uma moda trazida dos Estados Unidos, no final da Segunda Guerra Mundial, pelos soldados americanos e desde então, a par da pastilha elástica, da Coca-Cola e de outros grandes benefícios da civilização moderna, não parou de se difundir por todo o mundo.

 

Na verdade este S. Valentim é uma figura lendária, em que a tradição misturou três pessoas distintas, um padre, que foi decapitado em 273 em Roma, um bispo também decapitado na cidade de italiana de Terni e ainda um outro bispo, Valentim da Récia, também conhecido por S. Valentim de Passau e que viveu mais tarde no século V. Os dois primeiros foram martirizados a 14 de Fevereiro e a tradição popular começou desde muito cedo a junta-los numa única figura. Valentim da Récia ou Rhaetia era comemorado a 7 de Janeiro e o seu culto como personalidade individual parece ter sobrevivido até mais tarde.

Segundo Louis Réau, o especialista em iconografia cristã, a associação de S. Valentim a santo patrono dos namorados fez-se porque a sua festa calhava, no dia 14 de Fevereiro, altura em que os passarinhos começavam a acasalar. Outra tradição que poderá explicar esta característica do santo em causa, mas de que não consegui apurar a fonte conta que S. Valentim casava em segredo os namorados nos tempos das grandes perseguições aos cristãos no século III.


O verso da folha, apresenta uma breve descrição da vida de S. Valentim em Latim
Quanto à minha estampa é uma folhinha solta, com a imagem de um qualquer S. Valentim de na frente e um breve texto no reverso. Comecei por tentar ler a súmula da história do santo em latim, na parte detrás da estampa.

Nela refere-se que se trata de Valentinus Episcopus. Portanto, se foi bispo certamente tratar-se-á de Valentim de Terni ou Valentim da Rethia e podemos excluir o Valentim de Roma. De seguida tentei ler o texto latino, recorrendo ao Google translator, pois o meu conhecimento desta língua é pobrezinho e lá consegui destrinçar que o Valentim aqui retratado lutou contra a heresia de Ario, andou pelo Tirol, e pela Áustria Superior, espalhou a verdade Cristã e morreu na paz do Senhor cerca de 440.

A antiga Rétia é hoje o cantão dos grisões na Suiça, parte da Áustria e Sul da Baviera
 
 
Estes dados coincidem perfeitamente com a vida de S. Valentim da Raethia ou de de Passau. Este Valentim era oriundo do território que é hoje a Bélgica e foi nomeado pelo Papa Leão I (440-461) para evangelizar a antiga província romana da Raethia, hoje o Tirol, parte da Áustria, o cantão dos Grisões na Suiça e algumas regiões do sul da Baviera, cujos habitantes estavam ainda presos aos antigos cultos pagãos ou eram seguidores de uma heresia cristã, o arianismo. Já depois da sua morte, no século VIII o corpo foi transferido para a cidade Bávara de Passau, que fica na fronteira entre a Áustria e a República Checa e por essa razão este Valentim, é também conhecido por Valentim de Passau.


Esta folha foi impressa em Tyrnaviae, actual Trnava na Republica Eslovaca, na imprensa do Colégio da Academia da Sociedade de Jesus, em 1763

Também há mais uma razão, para estar convencido que se trata de uma representação de S. Valentim de Passau, santo invocado na cura dos que sofriam de epilepsia. Esta gravura foi impressa mo ano de 1763, em Trnava, cidade da actual República eslovaca, na imprensa da antiga universidade Jesuítica.

Aspecto de Trnava, conhecida por Parva Roma, isto é, a Pequena Roma. À direita da Igreja pode-se ver as instalações da antiga universidade, que contava com uma oficina tipográfica, particularmente activa e de onde saiu esta folhinha com o S. Valentim
 
Trnava em eslovaco ou Nagyszombat em húngaro, cidade cheia de igrejas e que albergou a primeira universidade da Hungria no século XVII, conhecida como a pequena Roma não fica assim tão longe de Passau e é pois natural que esta folhinha solta se vendesse aos crentes devotos do S. Valentim da Raethia. Como é que esta gravurazinha da Eslováquia chegou a Portugal é uma boa pergunta. Mas o mundo católico romano formava já nesse século XVIII um todo coeso e  e circulavam gravuras e livros por todo o lado onde se obedecia a autoridade do Papa.

Em suma este meu Santinho nunca foi invocado pelos namorados no dia 14 de Feveiro. É um S. Valentim da Europa Central, mais sério, invocado na cura contra a epilepsia. Confesso-vos que fiquei alguma com pena, pois teria gostado que esta gravura representasse aquele episódio da Legende Dorée, de Jacques Voragine, em que se conta que S. Valentim de Roma curou a filha do seu carcereiro da cegueira e já imaginava a rapariga, com a visão recuperada, apaixonada, sem conseguir tirar os olhos do belo Valentim.



Alguma bibliografia e ligações consultadas:

Iconographie de l'art chrétien / Louis Réau. - Paris : Presses Universitaires de France, 1955.
La légende dorée / Jacques de Voragine. - Paris : Perrin et Cie., Libraires-Éditeurs, 1910.
https://fr.wikipedia.org/wiki/Valentin_de_Rh%C3%A9tie
A history of the church / Johann Joseph Ignaz von Döllinger
https://en.wikipedia.org/wiki/Trnava

quinta-feira, 2 de março de 2017

Ruínas: prato de faiança inglesa da Copeland



Comprei recentemente este prato de sobremesa da Copeland na feira de Estremoz. Na verdade, não pretendia compra-lo, mas o vendedor fez um preço conjunto irresistível para este pratinho e um prato de faiança portuguesa, no qual o meu amigo Manel estava interessado e lá voltamos para a casa os dois todos contentes, cada um com o seu prato na mão.

Este prato de faiança foi fabricado pela firma inglesa Copeland, cuja existência decorreu entre 1847 e 1970, muito embora a origem desta fábrica remonte à mítica Spode, comprada em 1833, pelos senhores William Taylor Copeland e Thomas Garrett. Em 1847 o Sr. Copeland tornou-se o único proprietário e a fábrica manteve-se com esse nome até 1970, altura em que retomou antigo e prestigiado nome Spode.
 
Marca incisa da Copeland
É um prato com marca, portanto a atribuição não oferece dúvidas. Mais, está também datado, conforme se pode ver pela marca incisa M75, que quer dizer que a peça foi fabricada em Março ou Maio de 1875.

Relativamente à decoração, que representa um edifício gótico em ruínas, ladeado por folhas de carvalho e bolotas. Descobri no blog da nossa amiga Maria Andrade, o Arte livro e velharias, que este padrão é conhecido ora pelo nome ruins ou Melrose. Fiz então umas pesquisas combinando aqueles dois termos no Google e descobri que a decoração deste prato possivelmente evocará as ruínas da Abadia de Melrose, na Escócia.
 
Este monumento arruinado tinha inspirado muitas gravuras românticas, que circulavam em Inglaterra na primeira metade do século XIX e que serviram certamente de modelo ao fabricante de faiança, Zachariah Boyle, que produziu entre 1823-1850, uma série de vistas de paisagens, castelos e mosteiros, as Antique Scenery Series, entre as quais se contavam as ruínas da Abadia de Melrose.
A Abadia de Melrose pela Boyle
A possível representação da Abadia de Melrose feita a partir de 1848 pela Copeland está mais longe da realidade do que aquela feita pela Boyle. Será apenas uma vaga evocação daquela ruína romântica ou talvez de um outro qualquer monumento em ruínas inglês, pois poder-se-a tratar de uma série decorativa da Copeland, com vários pratos, travessas e terrinas, cada um deles representando uma ruína da velha Albion 
 
 
 
No entanto, a decoração deste simples prato, com as ruínas, envoltas numa névoa, não deixa de ser sugestiva e parece-nos que ao longe ouvimos ventos uivantes e os ecos dos amores infelizes de Heathcliff e Cathy.