quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Um candeeiro em biscuit ou a procura de um brinquedo da minha infância

Candeeiro em biscuit com putti
Hoje apresento umas das minhas últimas loucuras, um candeeiro em biscuit, cuja base é formada por quatro putti ou anjinhos em volta de um balaústre, provavelmente coisa da primeira década do século XX. Claro, não precisava de mais nenhum um candeeiro lá em casa, mas não consigo resistir a biscuits e depois ele estava tão barato, que seria uma pena deixa-lo na banca do vendedor.

Bem sei que este candeeiro é uma peça kitch, de um gosto burguês, muito datado no tempo, mas desde criança sinto uma atracção especial por figurinhas de biscuit. Creio que tudo começou com uma palmatória em biscuit, representando um anjo da guarda e que existia num dos quartos, na casa da minha família paterna, em Outeiro Seco. Estava na mesinha de cabeceira junto à cama onde me punham a fazer a sesta e como em miúdo era demasiado irrequieto para dormir durante a tarde, ficava a olhar para aquele bonequinho cheio de vontade de brincar com ele. Muito depois disso, fizeram-se partilhas do recheio da casa, esta foi vendida e entrou num triste processo de decadência. A última vez que lá voltei, já com quarenta e tais anos, entrei na casa, já uma ruína completa e apesar de ter que fazer equilíbrio nas poucas tábuas, que sobravam no soalho, entrei nesse mesmo quarto e confesso, que ainda olhei através do chão esventrado, na esperança de encontrar o anjo em biscuit caído no andar inferior. Claro, a figurinha em loiça não estava lá, já devia nessa altura estar partida em mil pedaços, espalhados sabe-se lá por onde e eu desde então, compro estes biscuits, com o intuito de alguma forma reencontrar um momento da minha infância.
 
Voltando ao candeeiro, quando o comprei estava em muito mau estado. Ter-se-á partido em tempos e o seu dono, que tinha sem dúvida muito apreço por ele, mandou-o restaurar a alguém, que o colou muito pacientemente e para disfarçar as fracturas aplicou uma substância qualquer, que com o tempo, ganhou uma coloração creme. De modo, que quando o comprei estava com um tom tão estranho, que nem parecia biscuit. Seguindo então os conselhos do meu amigo Manel, com o auxílio de acetona e de uma raspadeira, retirei aos poucos toda essa substância, que escurecia o branco do biscuit. Foi um trabalho demorado e paciente até porque toda a peça é cheia de pormenores, com braços, mãos, pernas e asinhas delicadamente modeladas.

Depois, disso, comprei um abat-jour antigo, um pano de damasco azul e uma franja com pincéis numa retrosaria da Rua da Conceição, em Lisboa. O meu Amigo Manel, com a sua habilidade e paciência, forrou o abat-jour, aplicou-lhe os passamanes, alguns deles antigos e o resultado satisfez-me muito. O abat-jour e a suas franjas deram  ao candeeiro o toque final daquele gosto muito burguês e sobrecarregado do início do século XX.
 
Quanto à origem do fabricante deste candeeiro não consegui apurar nada de definitivo. Presumo que seja coisa da primeira década do século XX, pois tem o seu quê do movimento da arte nova e nessa época os alemães inundavam as casas burguesas de toda a Europa e Américas com os seus bonequinhos de biscuit. Encontrei algumas peças à venda na net de uma fábrica alemã, a William Goebel Porzellanfabrik, datadas do princípio do século XX com um estilo idêntico a esta, mas é apenas uma hipótese.
 
Em todo o caso, os modelos que inspiram todas figurinhas em biscuit branco, fabricadas no início do século XX são as peças francesas de Sêvres, de qualidade excepcional e que pretendiam imitar o mármore. No século XIX e início do século XX, o francês Auguste Moureau (1834-1917) concebeu dúzias de anjinhos e cupidos combinados com damas vestidas à grega para a fábrica de Sêvres, que bem poderiam ter inspirado o fabricante do meu candeeiro.
 
Biscuit de Auguste Moreau. Foto https://www.anticstore.com
Resumindo, este candeeiro terá sido produzido algures na Alemanha ou na Europa Central, no início do Século XX, adaptando o estilo mais aristocrático dos biscuits de Sêvres ao gosto de uma burguesia sem recursos por aí além, mas que gostava de encher as suas casas de tralha, onde se misturavam todos os estilos históricos possíveis, tal e qual como eu faço no meu apartamento de assoalhada e meia.
 

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Relógio de bolso Billodes

Montre de poche en argent Billodes

Este relógio de bolso em prata foi-me oferecido por um amigo, o Vasco, que conhece este meu gosto por coisas antigas e com efeito, estes objectos, que medem o tempo, que se desfaz a cada instante, encaixam-se muito bem numa casa cheia de velharias, tornadas inúteis por esse mesmo tempo.

Billodes não é uma marca conhecida de relojoaria. Na verdade, este relógio de bolso foi produzido pela fábrica do senhor Georges Favre-Jacot, na localidade suíça de Locle, na rua de Billodes, que se tornou célebre pela fabricação de uma marca de prestigio e que ainda hoje existe, a Zenith.


Este Senhor Georges Favre-Jacot (1843-1917) fundou a primeira fábrica moderna de relógios em 1865, em Locle, na Suíça. Até então, no fabrico de um relógio participavam 4 ou 5 artificies diferentes, cada um com a sua oficina numa parte distinta de uma cidade. Existia o ourives, que executava a caixa de prata, o marceneiro a quem cabia fazer a caixa em madeira, o cinzelador, que trabalhava os bronzes, o esmaltador para o mostrador, o relojoeiro propriamente dito e ainda um desenhador, autor da concepção geral da obra. Na moderna fábrica do Senhor Favre-Jacot, todos estes ofícios foram reunidos no mesmo espaço e na mesma empresa e começaram a produzir relógios numa escala industrial, que rapidamente conquistaram todos os mercados. Contudo, esta produção industrial da Georges Favre-Jacot pautava-se sempre por critérios de grande qualidade e precisão. A modernidade desta fábrica manifestava-se também na utilização da publicidade, como também pela preocupação da internacionalização dos seus produtos. A Georges Favre-Jacot apresentava-se sempre nas grandes feiras mundiais, como a na grande exposição universal de Paris de 1900, onde os seus produtos foram premiados e abriu sucursais em Paris ou Varsóvia, tinha negócios frutuosos na América e concebia relógios destinados a mercados específicos, como o Império Otomano ou Russo. As caixas dos seus relógios em prata eram concebidas por artistas como Georges Mucha  ou René Lalique, porque o Senhor Georges Favre-Jacot foi um dos membros fundadores do Werkbund na Suíça de expressão francesa. Este movimento pretendia conciliar indústria, modernidade e estética e aplicar a arte aos produtos industriais.


A decoração floral do relógio é de inspiração arte nova. Georges Favre-Jacot acreditava que os produtos industriais podiam ser ao úteis, precisos e ao mesmo tempo estéticos.

Normalmente os relógios eram comercializados com a marca Georges Favre-Jacot, mas para o mercado de exportação usavam nomes como Billodes ou Serkisoff. A partir de 1898, a marca Zenith começa também a ser usada progressivamente, até que a partir de 1911 torna-se o nome oficial da fábrica.


Quanto, a este meu relógio em particular, ele ostenta no interior uma referência ao prémio na exposição universal de Paris de 1900, portanto foi produzido depois de 1900.



Apresenta na tampa interior da caixinha a marca de punção suíça, usada entre 1880-1933, isto é, uma figurinha incisa, representando um galo montez ou tetraz. Portanto, o relógio terá sido fabricado depois de 1900 e antes de 1933.
A marca de punção suíça, usada entre 1880-1933


O número 0,800 refere-se à percentagem de prata usada, que obedecia à norma estabelecida.

Tabela retirada de https://sites.google.com/site/zenithistoric

Quanto são número de série ou movimento, uma espécie de bilhete de identidade do mecanismo, é o 1282097. Procurei numa tabela da Zenith, que equipara os números do movimento de série com os anos do início de fabrico, mas o ano de 1909, que corresponderia aos números 1200000 está em branco.


O número de série ou movimento do mecanismo é o 1282097

Enfim, presumo que o meu relógio terá sido executado entre 1900, ano da exposição universal de Paris e 1911, data em que se passa a usar em exclusivo a marca Zenith.


Algumas ligações consultadas:

https://fr.wikipedia.org/wiki/Georges_Favre-Jacot

https://sites.google.com/site/zenithistoric/

http://www.zenith-watches.com/fr_fr/icones/georges-favre-jacot

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Caixa de jóias francesa dos finais do século XIX

Ormulu Jewelry boxes
Não era suposto um homem só como eu comprar caixas de jóias, já que não tenho um simples anel de ouro ou mesmo de pechisbeque para colocar lá dentro. Mas estas pequenas caixas de latão francesas, com vidros biselados e com um estofo capitonné em seda atraem-me irresistivelmente. São caixinhas relativamente pequenas, pouco práticas, onde cabem 3 ou 4 anéis e um colar. É certo que nem todas as mulheres foram como a antiga Duquesa de Windsor, a Wallis Simpson, que tinha dúzias e dúzias de colares, tiaras, diademas e brincos, encomendadas pelo marido nos melhores joalheiros parisienses. Mas, uma caixinha destas, nos finais do século XIX, período em que presumo que tenha sido executada, não era tão barata como isso e sua proprietária terias posses para pelo menos ter comprado ao longo da sua vida uma colecção considerável de bijutaria ou como diria a minha avó Mimi, jóias de fantasia.
Ormulu Jewelry boxes
 
Creio que estas caixinhas serviriam mais expor qualquer coisa considerada preciosa do ponto de vista sentimental, de outra forma não teriam o tampo em vidro biselado. Imagino que nelas se guardasse um anel de noivado ou o caracol de uma criança falecida. Recordo-me que a minha tia guardava numa caixinha o último lencinho de renda, que a minha avó usou, antes de morrer. Nunca quis lavar o lenço, pois não queria perder as últimas lágrimas da mãe. 

Talvez seja este uso tão sentimental, que pressinto nestas caixinhas, que me leva a gostar tanto delas.
Ormulu Jewelry boxes
 

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

O dardo do amor divino: registo de meados do século XIX representando Santa Teresa de Ávila


Sempre tive um certo fascínio por Santa Teresa de Jesus, essa mística espanhola do século XVI, fundadora da Ordem das Carmelitas Descalças. Não só pelas suas qualidades intelectuais, mas também pelas representações que dela se fizeram na arte, nomeadamente o seu êxtase místico, que é profundamente erótico.

Por isso quanto encontrei este registo representando a Transverberação de Santa Teresa de Ávila, preciosamente encaixilhado com restos de tecidos ricos, comprei-o sem hesitar. Decididamente, faltava uma Santa Teresa na corte de santos que decoram as paredes da minha casa.

Procurei saber mais alguma coisa sobre esta estampa, que só apresenta uma simples legenda identificando a Santa e uma frase em latim Divini amoris cuspide/ In vulnus icta concides. A restante legenda foi tapada pela senhora ou menina prendada que executou a preciosa moldura.
Parte da legenda foi tapada pela senhora ou menina prendada que executou a preciosa moldura

Através de uma pesquisa por imagens e encontrei uma estampa igual a esta no site da Casa Martins Sarmento, que tem o resto da legenda, que o caixilho da minha estampa esconde. Nela, indica-se que é dedicada A' MUITO RD.A MADRE/ Maria Gertrudes de S. Ignez/ RELIGIOSA CARMELITA EM S. TERESA/ DE CARNIDE/ F. Jose da Pureza Religioso da mesma ordem. Também na gravura indica-se o nome do gravador, um tal C. Acquisti, elemento que falta na minha gravura.
A Sociedade Martins Sarmento tem uma estampa igual à minha, mas com a legenda completa

Santa Teresa de Carnide foi um convento de Carmelitas descalças fundado no século XVII e cuja existência se prolongou até 1891, ano da morte da última religiosa, em que fechou as suas portas. O edifício ainda hoje existe no bairro com o mesmo nome e é propriedade da Confraria de Santo Vicente de Paula e serve de lar para terceira idade e igualmente de creche. 

Esta Madre Maria Gertrudes de Santa Inês a quem a estampa é dedicada viveu na primeira metade do século XIX e era em 1847 prioresa do convento de Santa Teresa de Carnide, segundo se refere na obra Convento Santa Teresa de Jesus de Carnide: o falar das pedras / coord. Augusto Moutinho - Lisboa : Confraria de São Vicente de Paulo, 2016

Frei José da Pureza é também mencionado nessa obra, como membro dos Carmelitas e que em 1845 conseguiu que o Papa oferecesse ao Convento de Carnide o corpo inteiro da virgem Mártir de Santa Ágata, o qual chegou ao Convento em Setembro. Na Grande enciclopédia portuguesa e brasileira, Frei José da Pureza consta como alguém ligado ao mundo editorial, que organizou e reviu a edição do 1860 do missal romano, considerada a melhor de todas as edições feita pela imprensa Nacional. 
Estampa de C. Acquisti da colecção da Biblioteca Nacional de Espanha

Quanto ao gravador da estampa, o tal C. Acquisti não há muitos dados sobre ele. Encontrei uma estampa da sua autoria no catálogo da Biblioteca Nacional de Espanha, representando os Mártires de Tonkin, com a legenda em espanhol e impressa com caracteres tipográficos semelhantes aos da estampa de Santa Teresa de Jesus. No Arqueólogo Português, Vol. XIV, 1909 Ernesto Soares refere que terá sido talvez um italiano que trabalhou em Portugal.

Em suma, esta estampa terá sido impressa à volta de 1850 em homenagem à Madre Maria Gertrudes de Santa Inês, prioresa de Santa Teresa de Carnide, que talvez nessa altura já tivesse falecido, porque enfim, como todos nós sabemos as homenagens só chegam depois de as pessoas terem morrido. A gravura é-lhe dedicada por Fr. José da Pureza, homem ligado ao mundo editorial e que terá encomendado a imagem ao tal C. Acquist, um gravador estrangeiro. 
Reverso do registo, manufaturado por mãos devotas.

Todos nós temos a ideia que em 1850, os conventos estariam numa longa agonia, já que a lei que os extinguiu em 1834, previa que estas casas fossem fechando à medida, que morresse à última freira. Mas pelos vistos, algumas dessas casas religiosas estariam ainda activas, pois por volta de 1850, continuava-se a mandar imprimir estampas piedosas relativas a devoções desses mesmos conventos e havia púbico para as comprar.


Quanto à iconografia desta estampa representa umas das visões de Santa Teresa, que a própria Santa descreveu no seu Livro da vida e que não resisto a transcreve-la, pois aos nossos olhos do século XXI pode ser visto como uma sublimação dos prazeres da penetração. Mas, também é verdade, que hoje temos a visão distorcida por demasiadas imagens de sexo na televisão, no cinema e sobretudo na internet.

Via um anjo ao pé de mim, para o lado esquerdo, em forma corporal, o que não costumo ver senão por maravilha [..) Via-lhe nas mãos um dardo de oiro comprido e, no fim da ponta de ferro, me parecia que tinha um pouco de fogo. Parecia meter-me este pelo coração algumas vezes e que me chegava às entranhas. Ao tira-lo, dir-se-ia que as levava consigo, e que me deixava toda abrasada em grande amor de Deus.

Teresa de Jesus, obras completas, Livro da Vida, cap. 29, 13, p 237 (citado a partir de Isabel Bastos - Iconografias de Santa Teresa de Ávila como esposa Mística, in Congresso Internacional sobre a Reforma Teresiana em Portugal, Fátima, 2015)
 

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Um frasco checo que afinal é da Marinha Grande


Recentemente apresentei um frasco de perfume art deco, que muito embora não apresentasse marca, tomei-o com sendo de fabrico checoslovaco. Nos anos vinte e trinta a vidraria checa inundou o mercado europeu com os seus produtos de desenho arrojado e de facto este frasquinho parecia-se muito com os vidros daquele País, que no período entre as duas guerras, alcançou um grande desenvolvimento nas artes industriais.

Contudo, cometi dois erros. O primeiro foi atribuir uma peça sem marca a um centro de fabrico específico. O segundo, foi quando vemos uma peça com um desenho mais arrojado ou de melhor qualidade, temos uma certa tendência para afirmar que é estrangeira. Enfim, foi um erro de julgamento derivado de um certo espírito provinciano, em que se acha que tudo o que é bom vem lá de fora, um mal de que nós todos nós acabamos por padecer, com maior ou menor intensidade. Afinal de contas fomos todos educados a ouvir dizer que Portugal vivia sempre com cinquenta anos de atraso em relação ao resto da Europa.
O conjunto de frascos de toilette da sogra da Margarida

Na realidade, de acordo com o que me escreveu uma seguidora deste blog, a Margarida, a sua sogra tem um conjunto completo destes frasquinhos, comprados no final dos anos 40 e produzidos na Marinha Grande, conforme alguém que trabalhou nesse centro vidraceiro lhe afirmou. Mais, a Margarida adianta que estes frascos teriam sido produzidos na defunta IVIMA.

Não queria deixar de fazer aqui esta rectificação, agradecer à Margarida e igualmente acrescentar que este frasquinho demonstra como na Marinha Grande se acompanhava de perto as tendências europeias de desenho industrial.

sábado, 30 de setembro de 2017

8 º Aniversário do “velharias do Luís”




O velharias do Luís faz hoje 8 anos e talvez por isso deva reflectir um pouco acerca das razões de escrever um blog dedicado ao pequeno coleccionismo, isto é, destinado aquelas pessoas que não tem dinheiro para comprar nos bons antiquários e nas grandes leiloeiras, mas gostam de coleccionar pagelas, gravuras, faianças do século XIX e XX, xícaras da Vista Alegre e outras bugigangas ao alcance de uma bolsa da classe média.

Há pouco tempo li um texto de Bruce Chatwin, publicado na obra Anatomia da Errância. Lisboa: Quetzal Editores, 2008, que é um elogio ao nomadismo, aos povos e as pessoas que vivem e transportam consigo os objectos estritamente essenciais. Segundo esse escritor o coleccionismo é uma actividade dos povos sedentários e sobretudo daqueles que se viram para dentro de si mesmos, se fecham nas suas casas e vivem para os objectos, já que receiam o mundo exterior e as emoções. As velhas pinturas, os selos, as gravuras, as faianças ou os paliteiros em prata comprados avidamente pelos coleccionadores substituem os afectos que poderiam conceder a outros seres humanos. O conteúdo deste texto pode parecer um pouco exagerado, mas o Bruce Chatwin conhecia bem o meio do coleccionismo, pois trabalhou durante muito anos numa das melhores leiloeiras de Londres e talvez até a sua descrição se possa aplicar a mim. Viajo pouco. Encho a casa de velharias e antiguidades quase até à loucura, praticamente não recebo ninguém e possivelmente todas estas gravuras do século XVIII, fotografias antigas, terrinas e móveis, carregados de histórias antigas, substituem as emoções e o calor que um grupo de amigos ou amantes me poderiam proporcionar. Provavelmente para contrariar essa tendência que todo o coleccionador tem para se fechar sobre si, escrevo regularmente um blog, para partilhar com uma comunidade de desconhecidos, aquilo que compro ou herdei e os estudos que faço acerca dos objectos antigos. É como se semanalmente abrisse a porta da minha casa e convidasse muita gente, para conhecerem as velharias que se amontoam pelo chão, pelas paredes e nos móveis e lhes contasse detalhadamente a história de cada uma delas.
 
 
 
Aos seguidores do “velharias do luís” no blog ou facebook, de Portugal, do Brasil, ou em outro canto qualquer do ciberespaço, agradeço a visita, que semanalmente fazem a minha casa.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Prato Companhia das Índias: parras e cachos de uvas


Nunca foi um entendido em porcelana da China. Gosto de a ver nos museus, encanto-me com a delicadeza da pintura e olho com cobiça para as porcelanas de exportação, aquelas peças que os chineses produziram para o mercado europeu e até otomano, com motivos decorativos ao gosto ocidental ou islâmico. Na Europa e nas Américas, essa porcelana chinesa feita de encomenda para o Ocidente durante o século XVIII e ainda XIX é designada pelos antiquários e coleccionadores por Companhia das Índias. Mas, como não sou um entendido e os preços que se praticam nos mercados de velharias costumavam ser proibitivos, nunca comprei nenhuma peça da chamada Companhia das Índias.
O prato não está marcado

Em 2011 tinha visto no Museu Nacional de Arte Antiga, na exposição Coleccionar em Portugal: doação Castro Pina umas peças de um serviço Companhia das Índias, decoradas no bordo com uns cachos de uvas e parras, pelas quais me tinha apaixonado loucamente. Mas pensei logo para os meus botões escusas de suspirar pois estas peças não são para o teu bico. E de facto assim parecia, pois passado uns dois anos vi uma molheira decorada com essas parras e cachos de uvas na feira de Estremoz, e estava à venda por quase duzentos euros, apesar de esbeiçada.
Imagens retiradas do catálogo Coleccionar em Portugal: doação Castro Pina. Lisboa: MNAA, 2011

Mas a paciência é a melhor amiga do coleccionador de antiguidades, velharias e trastes e recentemente consegui comprar um prato com essa decoração de cachos de uvas e parras, por um preço muito aceitável na Feira de Estremoz. Segundo o catálogo da exposição Coleccionar em Portugal: doação Castro Pina, as várias peças apresentadas desse serviço são da Dinastia Quing, período Jianqing (1796-1820) ou da mesma dinastia, mas do Período Daoguang (1821-1850). As peças da antiga colecção Castro Pina diferem do meu prato no motivo central. Enquanto que as primeiras ostentam um brasão, o meu prato apresenta uma paisagem com casario. Mas, no Oportunity leilões, no Lote 4413, encontrei um conjunto de 4 chávenas, exactamente iguais ao meu prato, com o mesmo motivo central e atribuídas ao período Jianqing (1796-1820).

Oportunity leilões, no Lote 4413

Se o meu prato é do período Jianqing ou Daoguang, não tenho conhecimentos de louça oriental, para fazer atribuições, mas posso afirmar com segurança que é Companhia das Índias, Dinastia Quing, fabricado durante a segunda metade do séc. XIX na longínqua China, com motivos tipicamente ocidentais, as parras e as uvas, já que os chineses não bebiam vinho.
 

 Alguma bibliografia:
-Coleccionar em Portugal: doação Castro Pina. Lisboa: MNAA, 2011