terça-feira, 26 de outubro de 2010

Na pista de Miguel Álvares Ferreira Montalvão: o bacharel louco

Num dos meus anteriores posts, em que contei os amores da minha trisavô, Maria do Espírito Santo, com um padre, José Rodrigues Liberal Sampaio, mencionei ao de leve, um dos seus irmãos, o Miguel José Álvares Ferreira Montalvão, que é uma personalidade estranha e de que se hoje sabe muito pouco.

Nasceu a 1 de Março de 1838, em Sto. Estevão, aldeia próxima de Chaves, onde os pais residiam na altura. Só mais tarde a família mudou-se para o solar Outeiro Seco. Terá crescido num ambiente onde a instrução tinha alguma importância, o que era raro na fidalguia portuguesa da época, com efeito, o seu pai João Ferreira Montalvão fez estudar todos os seus filhos homens. O Miguel fez Direito, o António Vicente o Curso de Estado-Maior e Engenharia Militar e Civil e um terceiro filho, ilegítimo, também João, foi feito Sacerdote.

O Miguel terminou Direito, em Coimbra, em Junho de 1864, com 26 anos. De regresso a casa, foi administrador do Conselho de Chaves e Juiz de Direito Substituto (segundo o periódico Aurora de Chaves, 11 de Setembro de 1890) e portanto, tudo indicava que iria ser um senhor respeitável, com um grande bigode artisticamente enrolado e uma figura de destaque na vida pública flaviense.

Contudo, este homem era muito diferente dos restantes, conforme ficamos a saber pelas notícias da sua morte, ocorrida a 8 de Setembro de 1890, aos 52 anos, que encheram os jornais flavienses, nomeadamente o Comércio de Chaves e Aurora do Tâmega. Todos eles se lhes referem como o infeliz bacharel em Direito, que há muitos anos estava doido e se encerrava num quarto, passando o tempo a ler todos os livros que podia obter .

Outro Jornal, o Comércio de Chaves, de 10 de Setembro de 1890, refere que o infeliz vivia encerrado num quarto, não consentia que lhe cortassem o cabelo e a barba e quando alguma criada entrava no quarto para fazer a limpeza o desventurado metia-se debaixo da cama.



O acontecimento impressionou não só os jornais da época, como os habitantes da aldeia. Ainda, hoje, passados 110 anos, segundo o nosso amigo Humberto, correm ainda entre os mais velhos histórias do bacharel louco. Nestes relatos da aldeia dizia-se que o Miguel teria endoidecido por causa de amores contrariados por uma prima. Eu até já pensei nele como o construtor do mirante, que dava acesso aos terceiros do solar, que segundo a tradição teria sido construído por um antepassado dos Montalvões para avistar a sua amada, numa povoação vizinha. No entanto, a tradição familiar refere que o Miguel Montalvão não morava no solar, mas numa casa vizinha, com uma fachada austera de pedra, mas uns interiores muito bonitos com tectos de masseira.




Casa de Miguel Montalvão


Por estas sumárias notícias dos jornais flavienses, podemos inferir que o Miguel Montalvão era um homem culto, com grandes hábitos de leitura e podemos sem dúvida atribuir-lhe a uma parte da formação da grande biblioteca do Solar de Outeiro Seco, que posteriormente o Liberal Sampaio, amante da sua irmã, terá completado e enriquecido. Também podemos adiantar que o facto de ser um grande leitor não o terá ajudado a integrar-se na sociedade de um vila, em que 80 % da população era analfabeta e a restante fracamente instruída. E este número não é uma estatística referente à então vila de Chaves, mas ao País inteiro, em 1900.

Fascinado por este indivíduo, de que sabia tão pouco fui à procura de mais elementos e tentei contactar os descendentes dos parentes mais próximos, do Miguel Álvares e da Maria do Espírito e concentrei-me num terceiro irmão, que ao contrário deles fez uma vida mais convencional, o António Vicente Ferreira Montalvão (18-12-1840/19-09-1919).

Fiz umas pesquisas aqui e acolá e acabei conseguir contactar uma bisneta do General António Vicente de Montalvão, uma Senhora distinta e simpática que me abriu as portas da sua casa familiar no Porto. Infelizmente não tinha muitos elementos, pois as famílias, preocupadas com os obstáculos da vida quotidiana acabam por deixar partir os mais velhos sem os interrogar acerca dos acontecimentos mais remotos ou pedir-lhes, que antes de morrerem identifiquem fotografias antigas. Apesar disso e de não ter conseguido obter uma fotografia do Miguel Montalvão, levantei mais um pouco do véu, que cobre estas histórias ocorridas há mais de 100 anos.



A minha prima autorizou-me a fotografar um retrato a óleo representando o seu bisavô em uniforme de gala e onde descobri os mesmos olhos claros da irmã, a Maria do Espírito Santo.

A minha parente também me adiantou, que o General António Vicente ter-se-á afastado da irmã, após o seu envolvimento desta com o padre José Rodrigues Liberal Sampaio, que foi na altura um escândalo muito grande em Chaves. Segundo a minha prima, o António Vicente Ferreira Montalvão terá inclusive prescindindo da herança que lhe cabia no Solar de Outeiro Seco, preferindo provavelmente ficar com outras propriedades da família na região de Chaves, para se manter afastado da relação socialmente condenável, que a irmã mantinha com o padre. A minha prima também desconhecia a existência do irmão louco do seu bisavô, figura que seria também pouco recomendável para os padrões da boa sociedade dos finais do século XIX.

Ao contrário dos irmãos, este António Vicente Ferreira Montalvão teve uma vida convencional. Seguiu a carreira militar, tomando a cavalaria como arma, como era já tradição na família desde pelo menos o seu trisavô, o Capitão de Cavalos, Álvares Ferreira, e fez um belo percurso profissional. Fui nomeado Chefe do Estado-maior da Arma de Artilharia, Grande Oficial da Real Ordem Militar de S. Bento de Aviz, Comandante da Escola do Exército, Vogal do Supremo Conselho de Defesa Nacional e chegou a general de Divisão. Casou também muito bem, com Mariana Mercês Bravo Borges, uma menina da boa sociedade Lisboeta e virtuose de piano. Quando se reformou, regressou a Chaves, mas já os irmãos haviam morrido há muito, o Miguel em 1890 e a Maria do Espírito Santo em 1902.

Ainda não foi desta que consegui discernir ao que precipitou a loucura do Miguel Ferreira Montalvão, mas algumas figuras e cenários do drama começam a ganhar contornos aqui e ali.
As fotografias da casa de Miguel Montalvão e do treslasdo da certidão de nascimento devem-se ao nosso amigo Humberto

4 comentários:

  1. Mais uma área q muito me apaixona: desenterrar histórias familiares, descobrir longínquos parentescos,decifrar manuscritos legais ou pessoais, reconstituir vidas de gente q por aqui passou e deixou alguma marca nos nossos genes...e nas nossas vidas.
    Acredito q este seu antepassado, Miguel Montalvão, em x do louco por q era tido, era apenas um inadaptado ao meio social em q vivia, excêntrico nesse meio, q se foi ensimesmando até ao ponto de ficar só e anti-social. Acho também q uma história de amor mal sucedida, num meio hostil e isolado, possa ter provocado este desfecho.
    Essa personagem e a sua lindíssima trisavó q se tomou de amores ilícitos por um padre, davam mesmo um romance camiliano. Alíás, certamente q Camilo, prolífico como foi,se teve de inspirar em muitas histórias reais como estas.
    A sua trisavó é realmente encantadora, de uma beleza sedutora e simultaneamente infantil e ingénua, deve ter deixado o Padre Liberal Sampaio de rastos...
    Já pareço a Maria Isabel a falar, com todas estas deduções, elogios e considerações.
    Continue nas suas descobertas da história familiar.
    Abraços
    Maria A.

    ResponderEliminar
  2. Fiquei algo surpreendido como conseguiste fazer um texto tão bem conseguido com o pouco que sabias. É muito difícil fazer os mortos falar, e qualquer coisa que se queira só pode ser conseguido através deste processo indirecto, ou então passaria a ser um daqueles romances ditos "históricos", que colocam todos aqueles personagens do passado a dizerem "um diz que disse", o que, em boa verdade, tira toda a veracidade à história e a deturpa de forma inglória.
    Mas gosto muito do que conseguiste fazer com tão pouca informação!
    Fiquei favoravelmente impressionado pelos pais desta prole que fizeram por a educarem devidamente, numa época onde a instrução nas classes mais elevadas não era de uso, nem sequer incentivada, como bem se sabe não só pelos escritos dos estrangeiros que nos visitaram na época (recordo as opiniões sustentadas pelos Dabney, no Faial, num livro de Maria Filomena Mónica) como pela epistolografia que nos foi deixada pela Condessa de Rio Maior, outra mulher preocupada com a educação dos filhos, ainda que contra o marido, que seguia as tendências da época.
    Muito me agrada a casa onde viveu este teu antepassado, que, aliás, conheço, apesar de não ter conseguido entrar nessas salas cobertas de tectos em masseira.
    Caso me fosse dado escolher, e apesar de achar interessante a arquitectura do edifício do solar (interessante, mas muito pouco prática e nada confortável, mesmo para os padrões da época), preferiria esta casa em boa e singela arquitectura chã portuguesa. Mais fácil de aquecer, espaços todos interligados, logo mais práticos, e um dimensionamento mais apropriado à escala humana.
    Um agradecimento ao Humberto pelas fotografias que tirou do local.
    Manel

    ResponderEliminar
  3. Quem não teve um parente dito "louco" na família?
    O que intriga é que sendo ele tão letrado,devorando livros no seu quarto, porque razão não arriscou, não teve coragem de contrariar, atirar-se de cabeça, seguir os seus demoníacos desejos...a resposta está na certidão de nascimento...homem do signo Peixes, o mais romântico do Zodíaco, o mais sofredor, o mais amável...sei...isolam-se, sofrem muito, não conseguem falar,melindram-se com insignificâncias da amada, no momento do orgasmo o seu cérebro deturpa o prazer em dores terríveis nas meninges...a sensação que a cabeça explode, pode inclusive levar à morte!
    Pena que não se fale muito nisto, por pudor...
    Amei reviver neste seu parente essa sensação de sofrimento,de solidão, de refúgio até parece sadismo, mas não é... aí lembrei-me de outro meu parente, rapaz novo, filho único que se fechava no quarto,a criada deixava o tabuleiro à porta, sofria de amores por uma australiana...este não lia, fazia quadros com recortes que colava, mas não falava com ninguém, nem com a mãe...
    Pensando bem, quem já não sofreu de amores?
    Falo por mim, chumbei não sei quantos anos...e só ao fim de décadas percebi que o que sentia por ele era compaixão!
    Porém, como mulher sou mais forte e corajosa de virar o jogo, já os homens, só mesmo o Romeu foi atrevido!
    Uma mulher de bom gosto, gosta de ser seduzida com atrevimento e depois que venha a doçura dos peixinhos...
    Perdi-me, como de costume...
    Que me desculpem, hoje o dia está para amar, o sol, pois claro!
    Ah, adorei a casa térrea, com as pedras a fazer de floreiras ao lado das janelas de vidrinhos de abrir só pela metade e trancar nos extremos com umas latinhas tipo borboleta, um toque muito português, ainda os tectos em masseira,acredito serem de gesso finamente elaborados e com muito requinte, também da semalha do telhado com suporte em tabuado a dar graça ao beirado.
    O que eu adoraria perder-me naquele sótão, mesmo com teias de aranha...
    Bem haja ao Humberto sempre atento e eficaz, porventura não será "Peixinhos",ou se for tem um ascendente forte Leão que o empurra para gostar de fazer, homem de fibra, lá isso é verdade!
    Beijos
    Isabel

    ResponderEliminar
  4. Obrigado pelos vossos comentáruios, caros amigos

    Este meu antepassado é de facto um personagem fascinante sobre o qual as fontes são escassas e não permitem fazer mais suposições do que aquelas que fiz.

    A loucura é uma coisa estranha. Por vezes há um clique qualquer e todo o sistema moral e espiritual descarrila para o abismo.

    Tenho esperanças de encontrar uma carta, documentos ou uma fotografia que me esclareçam mais sobre este Miguel, personagem pela qual sinto uma grande empatia, vá lá eu saber porquê. Talvez, simpatize sempre com os que são diferentes, ainda que por vezes se tormem vítimas fatais do ostracismo social.

    Abraços a todos

    ResponderEliminar